depo 25 bonus 25 bebas ip depo 25 bonus 25 bebas ip depo 25 bonus 25 bebas ip depo 10 bonus 15 slot bonus new member 100 rtp slot gacor hari ini daftar slot via dana situs judi bola resmi rtp slot live
SBOBET slot dana

Painel sobre inseminação caseira e poliamor do Conarci 2022 rende debate entre especialistas das áreas médica e jurídica

A palestra “Inseminação caseira e poliamor: Uma discussão necessária” abriu o painel de conferências do XXVIII Congresso Nacional de Registro Civil (Conarci 2022), na manhã desta sexta-feira (14), em São Paulo. O evento é promovido pela Associação Nacional dos Registradores de Pessoas Naturais (Arpen-Brasil) em parceria com a Associação dos Registradores de Pessoas Naturais do Estado de São Paulo (Arpen/SP).

Com moderação de Andréia Ruzzante Gagliardi, diretora da Arpen/SP, e Marcus Vinícius Machado Roza, presidente da Associação dos Registradores de Pessoas Naturais do Estado de Mato Grosso do Sul (Arpen/MS), a exposição contou com a participação de grandes nomes das áreas Jurídica e Médica:

Prof.ª Adriana Caldas do Rego Freitas Dabus Maluf, Doutora em Direito, mestre em Direito Civil e presidente da Comissão de Bioética do Instituto dos Advogados de São Paulo (IASP); Prof.ª Ana Cláudia Scalquette, doutora em Direito Civil e mestre em Direito Político e Econômico, atuando na área de Direito de Família e Direito das Sucessões há mais de duas décadas; e Dr. Edson Borges Júnior, urologista, ginecologista, coordenador do curso de pós-graduação em Reprodução Humana do Instituto Sapientiae e diretor científico do Fertility Medical Group.

Andréia abriu o painel citando a principal adversidade que a inseminação artificial caseira traz ao Registro Civil. “O problema que chega a nós, registradores civis, é a filiação dessas crianças geradas de maneira extralegal”, disse a diretora da Arpen/SP, passando à palavra ao Dr. Edson, médico especialista em reprodução assistida.

“Estamos falando de um procedimento médico altamente complexo”, enfatizou Borges, sobre a técnica de inseminação artificial. “E a inseminação caseira é pouco eficiente.” Ao comentar as possíveis consequências que o procedimento doméstico pode trazer à mulher e ao próprio filho, o ginecologista disse que elas podem ser “para a vida inteira”.

Segundo Edson, a infertilidade é a segunda maior comorbidade que afeta à população, ficando atrás apenas da obesidade. E citou a importância de se debater o tema: “Estou dando minha visão médica do assunto, como o Registro Civil vai lidar com o tema será outra questão”.

Marcus Vinícius, moderador do debate, enfatizou a importância de não se poder “fechar os olhos para esse tema”, que é a inseminação artificial. “Diariamente bate em nosso balcão casos desse tipo, e essa criança precisa ser registrada”, afirmou o registrador civil. E passou a palavra à Prof.ª Ana Claudia, perguntando: “Como fazemos para sanar este problema?”.

“Essa é a pergunta do milhão, como fazemos para tirar esse problema do registrador civil, que é a inseminação caseira”, respondeu a especialista em Direito de Família. “Não é porque falamos que a inseminação caseira não é recomendável que ela não vai acontecer.” Segundo Ana Claudia, atualmente “esses procedimentos são comuns”, e “a briga que devemos travar é a disponibilidade de tratamento de infertilidade pelo SUS [Sistema Único de Saúde]”.

Já para a Prof.ª Adriana Caldas, “embora seja uma técnica pouco eficaz, que pode trazer doenças e infecções, o direito à parentalidade e à formação da família é um direito constitucional e um direito do menor, seja ele de uma família hetero e homoafetiva”. A advogada enfatizou a atuação da bioética afim de regular “o que é constitucional ou não”.

Andréia Gagliardi finalizou o painel lembrando a atuação do registrador civil como executor das leis. “A posição do registrador é obedecer a todas as normas, muitas vezes não possuindo a mínima autonomia. No mundo ideal é nesse espaço acadêmico que devemos construir as soluções”.

Fonte: Arpen/BR