depo 25 bonus 25 bebas ip depo 25 bonus 25 bebas ip depo 25 bonus 25 bebas ip depo 10 bonus 15 slot bonus new member 100 rtp slot gacor hari ini daftar slot via dana situs judi bola resmi rtp slot live
SBOBET slot dana

O Sul – Com a pandemia, RS registra mais mortes que nascimentos pela primeira vez, diz associação

A alta no número de mortes no Rio Grande do Sul no mês de março provocou um
fenômeno inesperado. Pela primeira vez na história, o Estado registrou mais óbitos que
nascimentos, sendo o único do País a registrar este fenômeno no mês de março, conforme a Arpen-Brasil (Associação Nacional dos Registradores de Pessoas Naturais).

Com 15.802 óbitos e 11.971 nascimentos, a diferença entre ambos ficou em 3.831 atos, o que equivale a 24% óbitos a mais do que nascimento, e uma redução de 71% na diferença entre ambos desde o início da pandemia em março de 2020.

Os dados constam no Portal da Transparência do Registro Civil, base de dados abastecida em tempo real pelos atos de nascimentos, casamentos e óbitos praticados pelos Cartórios de Registro Civil do País, administrada pela Arpen-Brasil, cruzados com os dados históricos do estudo Estatísticas do Registro Civil, promovido pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), com base nos dados dos próprios cartórios brasileiros.

A diferença entre os dois atos já vinha caindo ao longo do tempo, mas acelerou com a pandemia causada pelo novo coronavírus. Em 2003, no início da série história esta diferença era de mais de 100%, baixando para 83% na década de 2010 e abrindo 2020 com diferença na casa dos 60%. Com o início da pandemia, baixou para 47% em março, caindo para 20% em julho, 14% em dezembro e agora chegando à inédita taxa de 24% mais óbitos do que nascimentos.

“O aumento de mortes causado pela pandemia fez com que notássemos nos Cartórios de Registro Civil essa redução entre os números de nascimentos e mortes. No mês de março, por exemplo, vimos essa explosão de mortes com o agravamento da pandemia”, disse o presidente da Arpen/RS (Associação dos Registradores de Pessoas Naturais do Rio Grande do Sul), Sidnei Hofer Birmann.

Já no Brasil, a alta no número de mortes no mês de março provocou um fenômeno inesperado no País: a aproximação recorde entre os números de nascimentos e óbitos, que atingiu o menor patamar da série histórica do Registro Civil, iniciada em 2003. Com 227.877 nascimentos e 179.938 óbitos, a diferença entre ambos ficou em apenas 47.939 atos, o que equivale a 27%, e uma redução histórica de 72% desde o início da pandemia em março de 2020.

Fonte: O Sul