depo 25 bonus 25 bebas ip depo 25 bonus 25 bebas ip depo 25 bonus 25 bebas ip depo 10 bonus 15 slot bonus new member 100 rtp slot gacor hari ini daftar slot via dana situs judi bola resmi rtp slot live
SBOBET slot dana

Ministro Luis Felipe Salomão toma posse como novo corregedor nacional de Justiça

O ministro Luis Felipe Salomão tomou posse como novo corregedor nacional de Justiça para o biênio 2022-2024, na tarde desta terça-feira (30/08), durante cerimônia ocorrida na sede do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), em Brasília (DF).

A solenidade ocorreu de forma simples e rápida, e contou com a presença de ministros do Superior Tribunal de Justiça (STJ), Supremo Tribunal Federal (STF) e Tribunal Superior Eleitoral (TSE), além de autoridades dos Três Poderes, dentre elas: o presidente Jair Bolsonaro; o presidente do STF e CNJ, ministro Luiz Fux; o presidente do Senado, senador Rodrigo Pacheco; o presidente da Câmara dos Deputados, deputado federal Arthur Lira; e o subprocurador-geral da República, Alcides Martins.

O ministro Luiz Fux parabenizou o atual corregedor e destacou que todo conselho tem muito orgulho em recebê-lo no CNJ como o novo corregedor nacional de Justiça. “Nós teremos muito a caminhar, estimado amigo ministro Luis Felipe Salomão, pela vasta experiência e sabedoria de vossa excelência, com quem passamos a constar nessa jornada pela edificação de um judiciário independente, fortalecido e cada vez mais atuante na defesa do estado democrático de direito, do governo das leis, bem como na busca incessante da paz social”, disse.

 

À frente da Corregedoria

Nos próximos dois anos à frente da Corregedoria Nacional de Justiça, o ministro Luis Felipe Salomão vai centrar esforços para elevar a eficiência processual do Poder Judiciário brasileiro, tendo como estratégias principais a promoção de maior agilidade na tramitação dos processos judiciais e o estímulo à desjudicialização com base na aplicação dos meios adequados de resolução de conflitos.

“O que se pretende fazer é atuar em prol de diminuir essa litigiosidade – quase patológica – que temos no Brasil, e enfrentar um tema que me incomoda muito – e que incomoda o cidadão brasileiro –, que é a morosidade”, declarou o ministro ao responder aos questionamentos de senadores durante a sua sabatina promovida pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado.

 

Fonte: Assessoria de Comunicação da Anoreg/BR (Com informações do CNJ)