depo 25 bonus 25 bebas ip depo 25 bonus 25 bebas ip depo 25 bonus 25 bebas ip depo 10 bonus 15 slot bonus new member 100 rtp slot gacor hari ini daftar slot via dana situs judi bola resmi rtp slot live
SBOBET slot dana

Arpen-Brasil participa da abertura do XI Encontro Nacional de Promoção do Registro Civil de Nascimento e do Acesso à Documentação Básica

Evento promovido pela Secretaria Nacional de Promoção e Defesa dos Direitos Humanos acontece em Brasília nos dias 19, 20 e 21 de março

A Associação Nacional dos Registradores de Pessoas Naturais (Arpen-Brasil) participou na manhã desta terça-feira (19.03) da abertura do XI Encontro Nacional de Promoção do Registro Civil de Nascimento e do Acesso à Documentação Básica, realizado pela Secretaria Nacional de Promoção e Defesa dos Direitos Humanos, com o intuito de demarcar a retomada e o posicionamento do Ministério dos Direitos Humanos e da Cidadania (MDHC) na referida pauta, impulsionar a temática, dar visibilidade, contribuir com a atuação dos Comitês Gestores Estaduais e Municipais e fomentar a apropriação do tema por parte da sociedade civil e de todos os atores partícipes da Política de Erradicação do sub-registro civil.

Segundo o vice-presidente da Arpen-Brasil, Devanir Garcia, que representou a entidade no evento, o encontro é importante para que todos os atores envolvidos consigam cada vez mais diminuir o índice de pessoas que não possuem certidão de nascimento no País.

Encontro busca fomentar a apropriação do tema por parte da sociedade civil e de todos os atores partícipes da Política de Erradicação do sub-registro civil

“Não é mais aceitável que crianças e pessoas idosas se apresentem sem o documento de identificação”, disse Garcia. “Os Cartórios de Registro Civil estão preparados para trabalhar juntos e diminuir cada vez mais essa chaga que o Brasil ainda carrega, que é uma pessoa, uma criança, sem a sua certidão de nascimento”, completou.

Diversas autoridades estiveram presentes na solenidade de abertura, incluindo o secretário Nacional de Promoção e Defesa dos Direitos Humanos do Ministério dos Direitos Humanos e da Cidadania – SNDH/MDHC, Bruno Renato Nascimento Teixeira; a diretora de Promoção dos Direitos Humanos do Ministério dos Direitos Humanos e da Cidadania – DPDH/MDHC, Márcia Lucena; o representante do Instituto Nacional do Seguro Social – INSS, Cassio Rubens; o gerente de indicadores sociais do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE, João Hallak Neto; o representante do Ministério de Direitos Humanos e Cidadania, Elias Oliveira; o representante da Vigilância Sanitária do Ministério da Saúde, Alisteu Junior; além da juíza auxiliar da Corregedoria Nacional de Justiça, Carolina Ranzolin Nerbass.

Segundo o vice-presidente da Arpen-Brasil, Devanir Garcia, o encontro é importante para que todos os atores envolvidos consigam cada vez mais diminuir o índice de pessoas que não possuem certidão de nascimento no País

 

De acordo com a diretora de Promoção dos Direitos Humanos do Ministério dos Direitos Humanos e da Cidadania – DPDH/MDHC, Márcia Lucena, o evento é um esforço coletivo para erradicar o sub-registro.

“Esse evento é um esforço coletivo para que possamos caminhar no sentido de erradicar o sub-registro. Acredito que com esse esforço podemos plantar uma semente de erradicação do sub-registro civil de nascimento”, afirmou Lucena.

Para o secretário Nacional de Promoção e Defesa dos Direitos Humanos do Ministério dos Direitos Humanos e da Cidadania – SNDH/MDHC, Bruno Renato Nascimento Teixeira, o evento tem o objetivo de “aquecer novamente o debate para que possamos intercambiar informações, boas práticas e desafios”.

“Aquilo que precisamos enfrentar em relação aos grupos mais vulneráveis. O encontro é para que olhemos para esse cenário de pessoas sem documentos e reafirmemos o nosso compromisso em como nós garantimos a documentação civil, por exemplo, das pessoas trans”, declarou o secretário.

Segundo a juíza auxiliar da Corregedoria Nacional de Justiça, Carolina Ranzolin Nerbass, “ter direito a certidão de nascimento é a garantia de que todos os outros direitos irão se concretizar durante a sua vida”.

 

Na solenidade de abertura estiveram presentes inúmeras autoridades, entre elas o vice-presidente da Arpen-Brasil, Devanir Garcia, e a juíza auxiliar da Corregedoria Nacional de Justiça, Carolina Ranzolin Nerbass

 

“É com muita alegria que a Corregedoria participa da promoção do registro de nascimento e acesso à documentação básica. O Maranhão saiu de um índice de sub-registro para quase toda a erradicação dessa condição”, ponderou a magistrada que, em seguida, fez menção à Semana Nacional de Registro Civil, conhecida como “Registre-se!”, que este ano acontece entre os dias 13 e 17 de maio.

“O objetivo é tirar da invisibilidade uma parte significativa da população trazendo cidadania para essas pessoas. Este ano há foco para a população indígena e encarcerada. O Ministério dos Direitos Humanos e Cidadania se tornou parceiro dessa ação. A busca ativa e discussão de seminários irão incrementar e muito a atuação do ‘Registre-se!’”, finalizou.

Novas tecnologias

Ainda durante a manhã, foi discutido entre os palestrantes o tema ‘Novas tecnologias a serviço do cidadão’.

O painel contou com a participação de Christian Perrone, advogado, consultor e pesquisador de Políticas Públicas – Direitos e Tecnologia no Instituto de Tecnologia e Sociedade (ITS Rio); Rodolfo Avelino, mestre em TV Digital pela UNESP e doutor pela Universidade Federal do ABC, professor no curso de Engenharia e da Ciência da Computação do Instituto de Ensino e Pesquisa (Insper); e Eduardo Lacerda, perito criminal federal e coordenador-geral de Identificação Civil da Secretaria de Governo Digital – Ministério da Gestão e da Inovação em Serviços Públicos (MGI).

Para Eduardo Lacerda, perito criminal federal e coordenador-geral de Identificação Civil da Secretaria de Governo Digital do Ministério da Gestão e da Inovação em Serviços Públicos (MGI), todas as políticas relacionadas à identificação não devem estar segregadas, mas sim interligadas em um ambiente tecnológico que propicie seu pleno desenvolvimento.

“Podemos começar a estabelecer uma conexão ao longo do ciclo de vida do cidadão. O recado desse encontro é importante por isso”, relatou o coordenador do MGI.

Rodolfo Avelino, mestre em TV Digital pela UNESP, doutor pela Universidade Federal do ABC e professor no curso de Engenharia e da Ciência da Computação do Instituto de Ensino e Pesquisa (Insper), afirmou que o debate enriquece as discussões relacionadas à identificação do cidadão e ao direito de acesso a serviços públicos por meio dessa identificação.

“Temos problemas que precisam recorrentemente ser visualizados, como a questão da segurança e da soberania dos dados e das tecnologias que utilizamos, e não ter apenas a ideia de que toda nova tecnologia venha resolver o problema. Pelo contrário. São necessários estudos e avaliações do impacto dessa nova tecnologia para verificar se de fato ela não apenas beneficia, mas emprega também questões de discriminação e exclusão social”, argumentou o palestrante.

Já Christian Perrone, consultor e pesquisador de Políticas Públicas – Direitos e Tecnologia no Instituto de Tecnologia e Sociedade (ITS Rio), disse que é necessário aprimorar mecanismos e técnicas administrativas para pensar a infraestrutura pública digital, um conceito fundamental nas novas tecnologias usadas para erradicar o sub-registro.

“A tecnologia pode facilitar a criação de uma plataforma pensada com serviços disponibilizados em que você consegue, de fato, coordenar entre os diferentes setores, entre os diferentes atores do sistema de registro, onde está o registro inicial e onde isso foi feito”, concluiu o consultor.

Desafios intersetoriais

Além de apresentar novas tecnologias para atender às pessoas marginalizadas no acesso à documentação básica, o evento também discutiu a necessidade de interligar diversas esferas da sociedade para combater o sub-registro durante a palestra ‘Os desafios da Política de Erradicação do Sub-registro Civil de Nascimento e Ampliação do Acesso à Documentação Básica’.

A juíza de direito no Tribunal de Justiça do estado do Rio de Janeiro – RJ, titular da 4ª Vara de Família do Fórum Regional do Méier em auxílio junto à Vara de Registros Públicos da Capital, Raquel Chispino, explicou que é necessário que setores como saúde, educação, assistência social e Justiça, incluindo os cartórios, se comuniquem e elaborem políticas intersetoriais para proporcionar dignidade à população.

A juíza de direito no Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro, Raquel Chispino, explicou que é necessário que setores como saúde, educação, assistência social e Justiça, entre eles os Cartórios, devem se comunicar e elaborar políticas intersetoriais para proporcionar dignidade à população

 

“É necessário conversar com o SUS, com o hospital, com lideranças comunitárias das mais diversas. Não há como evoluir uma pauta dessa natureza sem a intersetorialidade. Todas as pastas do MDHC estão relacionadas à intersetorialidade do acesso à documentação básica”, argumentou a magistrada.

Em seguida, ela destacou alguns pontos que considera importantes na luta pela erradicação do sub-registro, incluindo a unificação de sistemas relacionados à tecnologia, citando o Sistema Eletrônico dos Registros Públicos, o Serp, oriundo da Lei 14.382/2022.

“Acho que o desafio para quem trabalha na área é conseguir entender como esses desafios resolvem o problema no balcão do cartório. A pessoa vai no balcão do cartório. O registrador civil tem condição de atender? Como essas coisas que estão acontecendo no Brasil podem impactar a curto, médio e longo prazo, em um trabalho mais eficiente e rápido para a população?”, sinalizou a juíza.

A questão da interoperabilidade também foi discutida na palestra do perito papiloscopista da Polícia Civil do Estado do Rio de Janeiro e diretor do Instituto de Identificação Félix Pacheco do Rio de Janeiro (IIFP-RJ), Alexandre Trece. “Um dos maiores desafios para a perícia papiloscópica é a criação de uma base nacional interoperável…”, provocou o papiloscopista.

Antes de abordar os desafios da atividade, foi realizado um bate-papo com a coordenadora-geral de Promoção do Registro Civil de Nascimento – CGRCN/ DPDH/ MDHC, Tula Vieira Brasileira, uma das organizadoras do evento.

Segundo ela, a agenda da documentação é intersetorial por natureza. Ela destacou que a emissão da identidade passa pela área da saúde, com a Declaração de Nascido Vivo, o Registro Civil, onde os registradores civis fazem a lavratura da certidão de nascimento, e depois a carteira de identidade com os institutos de identificação.

“Estamos aqui com a Arpen-Brasil e o CNJ porque precisamos nos unir. Sistema de Justiça, Executivo e sociedade civil para poder acabar com essa mazela e indecência de ainda ter no Brasil pessoas que nunca tiveram essa primeira relação com o Estado formalizada”, ressaltou Tula Vieira Brasileira.